domingo, 26 de outubro de 2008

2 meses de mudanças

Olá,

Nos últimos dois meses não tenho partilhado convosco episódios da minha vida, não por falta de vontade, de querer, mas sim por falta de tempo.

Ocorram tantas alterações que corro o risco de me tornar maçadora a expor todas as situações ocorridas.

Após umas férias repousantes na praia, o meu dono culminou com algo que eu já desconfiava mas que só confirmei no final de Setembro, a mudança de residência.

Mudámos de casa e recebemos de braços abertos a minha dona na nossa casa, agora ao final do dia além do meu dono também tenho a minha dona comigo. Tem sido uma experiência gira pois tenho partilhado as minha brincadeiras com os meus donos. Também tenho conhecido amigos de 4 patas novos.

Para terminar, refiro que na última sexta-feira (24/10) foi o meu 6 aniverário...

Até uma próxima,

sábado, 27 de setembro de 2008

O Verão e a mudança de vida...

Olá...

Depois da minha operação no final de Julho a minha recuperação foi muito boa, tendo a minha veterinária ficado bastante agradada com a evolução positiva e sem ocorrências...

Depois vieram as férias... estive quase 2 semanas na casa da Avó do meu dono juntamente com a minha dona, irmã do meu dono e respectivo namorado...

Passava os dias na praia... a brincar na areia... além disso ainda tive a oportunidade de acompanhar o meu dono num passeio de 17km de bicicleta... sem dúvida que foi um passeio puxado... principalmente porque o terreno era muito acidentado... mas valeu a pena no final...

Outra mudança na minha vida ocorreu no final do verão... o meu dono aceitou um novo projecto profissional o que nos obrigou a mudar de residência... foi necessário haibtuar-me a um novo ambiente... a uma nova casa... a novos cheiros... mas penso que me adaptei muito facilmente a esta nova situação...

Agora só me resta... gozar bem a vida...

Até à próxima...

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Eu e uma Ovariohisterectomia...


Olá...

O meu dono decidiu submeter-me a uma ovariohisterectomia, ou seja, a uma cirurgia para remoção do meu útero e ovários...

A decisão teve como premissa o facto de eu fazer sempre pseudo-gravidezes após o cio, o que me desgata profundamente e eventualmente me poderia criar problemas gravíssimos no futuro nomeadamente o possível aparecimento de tumores no meu sistema reprodutor...

Sendo assim no dia 26/07/2008 pelas 19:30 dei entrada na Clinica Veterinária de Braga onde fui muito bem recebida pela equipa que me operou... entrei para o internamento e esperei pacientemente pela hora da cirurgia...

Pelas 22:30 (aproximadamente) entrei no bloco operatório onde a Dr.ª Manuela Mangas e o Dr. Bruno Resende procederam ao acto cirúrgico...

A intervenção terminou às 23:30 e correu bastante bem... o meu dono visitou-me pelas 23:45 e viu-me ainda anestesiada, portanto não me lembro dele...

Segundo a Dr.ª Manuela, a cirurgia foi realizada na altura certa, pois eu já tinha uma infecção no útero, o que obrigaria a esta mesma intervenção daqui a algum tempo mas num quadro clínico menos favorável o que poderia, eventualmente, trazer outras complicações...

Neste momento estou em fase de recuperação que deverá prolongar-se até ao dia 04/08... esperando eu estar completamente recuperada para as férias que se aproximam rapidamente...

Mitos sobre a esterilização das cadelas
1. As cadelas engordam.
Falso.
Falta de exercício e excesso de alimentação fazem as cadelas engordar. Se, após a esterilização vigiar as quantidades de alimento que o animal ingere e lhe proporcionar suficiente exercício físico, o animal não engorda.

2. As cadelas ficam agressivas.
Falso.
Não há nenhuma evidência que comprove este mito.

3. Só se pode esterilizar depois da primeira ninhada.
Falso.
O melhor momento para esterilizar é antes do primeiro cio. Não há nenhuma razão médica para deixar a cadela ter uma ninhada durante a sua vida.

4. A partir dos 5 anos de vida da cadela, já não vale a pena esterilizar.
Falso.
Uma cadela com cinco anos de idade já terá tido, teoricamente, mais de 10 cios. A esterilização não a irá proteger de cancros mamários, mas protegê-la-á contra piómetras e cancros ovários e uterinos. Além disso, previne que a cadela continue a ter cios até ao fim da sua vida.

5. Só se pode esterilizar após o primeiro cio.
Falso.
O melhor momento para esterilizar é antes do primeiro cio. Alguns veterinários recomendam que se esterilize cadelas de grande porte após o primeiro cio.

6. A esterilização é contra-natura.
Falso.
É mais contra-natura isolar a cadela durante os cios e não a deixar seguir os seus impulsos naturais.

7. A pílula é um óptimo substituto para a esterilização.
Falso.
A pilula tem várias conta-indicações e é prejudicial a longo prazo para a saúde das cadelas, ao contrário da esterilização.

8. Cadelas esterilizadas não podem participar em exposições caninas.
Falso.
Cadelas esterilizadas não podem, obviamente, ser usadas como reprodutoras e por isso será pouco interessante levá-las a exposições. Mas não há nenhuma proibição como no que respeita a cães castrados.

9. Cadelas esterilizadas têm uma costura muito feia.
Falso.
Um bom veterinário deixará uma costura praticamente invisível.

Fonte: Os Nossos Whippets


Para os mais curiosos, deixo alguns link's sobre esta temática:

Até breve...

domingo, 13 de julho de 2008

Umas "férias" e uma operação

Olá...

Recentemente, o meu dono teve que ser operado a um pé... como ele ia ficar um pouco limitado no que toca a mobilidade, ele teve a sensatez de me enviar para a casa dos meus avós...

Adoro ir para lá... o tapete que está na sala é óptimo para coçar as minhas costas, a minha avó não gosta muito porque depois tem que aspirar os pelos...

Passo os dias com companhia e além disso tenho autorização para ir para as varandas para ver quem passa...

Mas o melhor mesmo é os mimos que recebo, o iogurte diário, a maçã depois das refeições... o meu dono não costuma dar-me maçãs (de vez em quando lembra-se)...

Também gosto muito de ir ao café diariamente... é giro... fico deitada à porta a ver quem passa e por vezes lá recebo uma festa... algumas dispensava...

Enfim... sei que as férias estão a acabar... mais uma semana e volto para a minha casa... vai acabar os mimos... etc...

Depois conto-vos o regresso...

Até lá...

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Uma caminhada

Viva,

Desta vez, trago-vos um relato de uma caminhada que os meus donos e eu fizemos no PNPG (Parque Natural da Peneda-Gerês).

Eram 07:30 da manhã de sábado quando nos metemos a caminho decididos a percorrer 115km para chegar à bela aldeia de Parada no concelho de Montalegre em pleno PNPG.

À hora prevista estavamos no ponto de encontro, infelizmente os nossos companheiros da aventura atrasaram-se um pouco.

Às 11:30 estava toda a gente a reunir-se no centro da aldeia,



Enquanto o nosso guia fazia um apresentação do que seria o percurso da caminhada eu aproveitava para brincar com uma bola que um caminhante encontrou perdida na aldeia,





Após estes instantes iniciais foi dada ordem de marcha a todos os aventureiros para iniciarem a caminhada,



Obviamente durante a caminhada cruzei-me com os habitantes da zona, eu sinceramente não gosto muito deles, são grandes, castanhos, possuem cornos e não sabem brincar com uma bola, enfim, não são nada interessantes,



Felizmente o nosso grupo foi brindado com um dia cheio de sol e sem vento consequentemente após 1h de caminhada eu estava sedenta, aproveitei um pequeno riacho e meti-me dentro de água para saciar a minha sede e arrefecer um pouco,




Felizmente o nosso guia decidiu que aquele local seria óptimo para descansarmos e almoçar, como havia um pequeno espelho de água, aproveitei para me banhar e brincar um pouco com o meu dono, os paus é que eram maus, afundavam-se todos,




Após um banho revitalizante e brincadeira na água (muito fria) nada melhor do que esfregar as costas na relva,




Após o merecido descanso era a altura de regressar ao ponto de partida, passando pela aldeia de Outeiro, no caminho ainda houve tempo para tirar mais fotografias,




Espero que tenham gostado da crónica e assim despertado o vosso interesse para as caminhadas e para o PNPG.

Até à próxima...

sábado, 24 de maio de 2008

Pseudo-gravidez

Olá,

Agora que terminou o meu cio, o meu dono e eu, andámos preocupados com a minha próxima pseudo-gravidez que ocorrerá, aproximadamente, daqui a 60 dias.

A pseudo-gravidez, comumente chamada de gravidez psicológica, caracteriza-se por um estado em que as cadelas desenvolvem todos os sintomas de uma gravidez mesmo sem ter ocorrido fecundação.

Para vos ajudar a perceber melhor esta temática, transcrevo o seguinte texto.

"A gravidez psicológica, também conhecida como pseudociese, pseudogestação ou falsa prenhes, é um problema relativamente comum em cadelas. Geralmente os sinais desta alteração fisiológica e psicológica ocorrem passados 60 dias do último cio de uma cadela não coberta ou não fecundada, ou seja, passado o cio, a cadela não gestante desenvolverá todos ou alguns dos sintomas clínicos de uma gestação, tais como: inquietação, aumento abdominal, crescimento das mamas e produção de leite, alterações comportamentais e alimentares, instinto maternal com adoção de objetos inanimados (bolas de borracha, bichos de pelúcia ou borracha) e construção de ninhos.

A pseudogestação nas cadelas é um tema muito estudado e discutido por diversos pesquisadores, apesar disso, existem ainda muitas controvérsias sobre o assunto e o mecanismo preciso de desenvolvimento desta afecção não é totalmente conhecido. Alguns defendem inclusive que não se trata de um processo patológico e sim fisiológico, pois em cães selvagens, onde prevalece o comportamento de matilha, as cadelas dominadoras transferem seus filhotes para as dominadas, que mesmo sem estarem gestantes ou com crias desenvolvem a pseudogestação e adotam os filhotes para elas transferidos.

A maioria das fêmeas com sintomatologia de falsa gestação retorna ao seu comportamento normal após 4 semanas sem necessidade de tratamento. Esse tempo pode se prolongar, e eventuais problemas de mastite podem acontecer, caso ocorram estímulos, como sucção das mamas pela própria cadela ou por outros animais e adoção de objetos inanimados como filhotes. Nestes casos, a melhor forma de tratar o problema, será retirando o estímulo, fazendo uma restrição alimentar, diminuindo a quantidade de água e alimento, para que haja uma diminuição da produção de leite, além disto, em casos mais persistentes o veterinário poderá utilizar medicamentos não hormonais, para que haja a paralisação da produção de leite.

As cadelas que freqüentemente desenvolvem a gravidez psicológica aumentam consideravelmente o risco de desenvolver tumores de mama, infecção uterina e cistos ovarianos. Nestes casos é indicado a histerectomia (castração) da cadela como medida preventiva para evitarmos futuros problemas de saúde no animal."


Fonte: Correio dos bichos

Até à próxima...

sábado, 10 de maio de 2008

O ciclo reprodutivo

Olá...

Este dias tenho andado num estado que vulgarmente conhecido como cio.

E para vos esclarecer um pouco sobre este tema, resolvi transcrever-vos o texto abaixo.

"Embora com alguma variabilidade, especialmente entre raças, em média as cadelas atingem a maturidade sexual aos seis meses de idade, ou seja manifestam nesta idade o primeiro cio. No entanto, lembre-se que as cadelas não devem ser cobertas tão precocemente, já que não completaram ainda o seu crescimento e isso poderia comprometê-lo, bem como à sua via reprodutiva posterior. Idealmente poderão ser cobertas a partir do terceiro cio. O intervalo entre cios, embora também variável é de cerca de seis meses.
O ciclo reprodutivo pode ser dividido em quatro fases, o proestro (em que os machos são atraídos mas a cobrição é recusada pela fêmea), o estro (em que a fêmea aceita o macho), o metaestro (abrange a gestação, parto e lactação nas fêmeas em que a cobrição teve êxito) e o anestro (período de repouso sexual).

Os indícios mais evidentes da aproximação do período fértil são a tumefacção da vulva e um corrimento sanguinolento. O cio dura cerca de 15 a 20 dias. Durante o cio não existe qualquer restrição relativamente a banhos. Os principais cuidados a ter referem-se aos passeios do animal durante este período fértil, já que todos as precauções são poucas.

No início do cio o comportamento da cadela altera-se, ficando geralmente mais dócil e mais activa. A congestão da vulva é seguida de um corrimento seroso e em seguida sanguinolento. Normalmente as fêmeas estão receptivas à cobrição sete dias depois do início do corrimento sanguinolento. Nesta altura, caso pretenda que a sua cadela fique gestante, bastará normalmente juntá-la com o macho. De uma forma geral, são as fêmeas que se deslocam ao “território” dos machos, embora isto não seja imprescindível a uma reprodução com êxito. Deverá deixar os animais juntos durante alguns dias para aumentar as probabilidades de êxito. O ideal é repetir o acasalamento 2 ou 3 vezes com um intervalo de 24 horas."


Fonte: VetPermutadora

Até uma próxima...

domingo, 20 de abril de 2008

Uma compilação de fotos

Viva,

Hoje resolvi fazer algo diferente.

Como o tempo está muito chuvoso não é nada agradável passear na rua.

Sendo assim, estive a desfolhar os meus albuns de fotos e decidi fazer uma pequena compilação para partilhar convosco.

Inclui fotografias das minhas férias do ano passado, da Margarida e outras que os meus donos tiraram ao longo dos últimos 6 anos. Em algumas fotografias eu estou a fazer asneiras, noutras estou a posar para a camara, enfim, uma infinidade de situações.

Espero que gostem e fico à espera dos vossos comentários.



Até à próxima...

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Uma tarde na praia...

Olá...

O fim-de-semana passado ofereceu uma excelente oportunidade para frequentar a praia pela 1ª vez este ano.

O meu dono deve ter ouvido as minhas preces e presenteou-me com uma tarde na praia.

Sendo assim, meteu-me na mala do carro e levou-me até à praia de Miramar em Gaia. Mal chegamos à praia fiquei impaciente até poder molhar os meus pés na fria água do Oceano Atlântico. Felizmente o meu dono não se esqueceu de levar o meu disco e então passei uma tarde excepcional dentro de água brincado energeticamente com o meu dono que insistentemente atirava o disco para lá da rebentação, mas eu corajosamente atirava-me para água para recolher e devolver o disco ao meu dono.

Infelizmente no domingo não pude ir à praia mas para compensar o meu dono proporcionou-me um longo passeio pelo Parque da Cidade no Porto, infelizmente eu fui sempre com a trela (como manda a lei) porque havia muitas pessoas no parque a aproveitar a excelente tarde de sol.

Espero voltar brevemente à praia...
Até lá...

domingo, 9 de março de 2008

Um cão e a sua dona

Viva,

Conforme prometido deixo-vos aqui um video sobre a relação fortissima entre um cão e a sua dona, o trabalho apresentado é fruto da dedicação e amor que a Carolyn Soctt dedicou ao Rookie, o seu Golden Retrivier.

O video é esclarecedor e dispensa mais palavras...



Até à próxima...

Os cães e as suas partidas

Viva,

Nós cães (e cadelas) também gostamos de pregar as nossas partidas... ou pelo menos os nossos donos acham que são partidas quando na realidade só estamos a brincar... sózinhos ou acompanhados...

Já fiz algumas partidas cá em casa e também na rua, recordo-me de uma vez deitar o meu dono ao chão porque a brincar com a Margarida atrás de um pau fomos as duas com toda a nossa força contra as pernas do dono, o resultado foi uma queda aparatosa por cima de nós mas sem consequências...

Outra partida que faço às vezes é fingir-me de surda e desatar a correr feita maluca, geralmente faço isto quando vou à praia e como sou impaciente deixo o meu dono para trás e corro que nem uma doida até à água e volto toda contente, por vezes o meu dono não fica com uma cara muito bonita mas até hoje tem perdoado...

Deixo-vos este video com as partidas que alguns colegas meus fizeram aos seus donos...

video



Na próxima semana colocarei aqui um video que mostra a forte relação entre um cão e a sua dona...

Até lá...

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Um video

Viva,
Como se devem recordar (caso contrário leiam a mensagem do dia 18/02/2008) eu gosto muito de água e obviamente não sou a única cadela que adora brincadeiras no mar e/ou rio, inclusive existem raças que estão mais habilitadas a permanecer e movimentarem-se à vontade dentro de água. Em Portugal existe a raça de Cão de Água Português vide a foto:


Créditos da foto: Pedra da Anixa


Além desta raça portuguesa existem outras bem conhecidas, como por exemplo o Labrador Retriever, vide foto:



Créditos da foto: http://www.dog-breed-facts.com/


Mas o que me leva a escrever esta mensagem é verificar que além destas raças mais propensas a gostar de água existem muitos outros individuos que sabem como se divertir com água. Vejam a sorte deste Dogue Alemão, eu também gostava de ter assim um jardim.



video


Até breve...

domingo, 24 de fevereiro de 2008

Eu e as minha asneiras...

Olá...

Hoje vou-vos falar das minhas más acções, pelo menos na opinião do meu dono, porque eu acho que não faço mal nem a uma mosca.

Eu gosto de muito de papel de desfazer revistas, por isso, o meu dono tem muito cuidado (às vezes) e não coloca revistas nem qualquer tipo de papel com um acesso fácil. Mas por vezes distrai-se e eu faço força, muita força para resistir ao ímpeto de roer, desfazer esse papel. Por vezes não consigo e quando o meu dono chega a casa e encontra ou a sala ou o meu quarto com milhares de papéis.

Uma vez, enquanto o meu dono trabalhava, ele deixou uma revista à minha merçe e eu não me fiz de rogada e então peguei na revista e desfiz em n de bocados, quando o meu dono chegou a casa pregou-me um raspanete que passou rápido.

Vejam como o meu dono encontrou a sala:

imagem(154)

Noutra altura, ele deixou uma revista no WC e eu fui buscá-la e levei-a para o meu quarto, desfiz a revista toda e além disso também fui buscar o rolo de papel higiénico e também desfiz parcialmente o mesmo. Quando o meu dono chegou ele ficou muito aborrecido comigo e para me castigar obrigou-me a ficar durante 10 min com o resto do rolo na boca, foi a maneira que ele encontrou para me convencer a não voltar a mexer em papel higiénico. Vejam as fotos:

dsc00201


dsc00202a


Até uma próxima...

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

A minha relação com a água


Olá mais uma vez...

Hoje vou-vos contar a minha relação com água...

O meu dono, de vez quando lembra-se, de me dar banho na banheira... sinceramente detesto... vou muito contrariada para a casa de banho, mas já sei que se não for... ele vai-me buscar onde eu estiver, por isso, não vale a pena lutar...

Eu não gosto de tomar banho... de ser molhada pelo chuveiro... de ser esfregada com um esponja para espalhar o champô... fico completamente estarrecida... por vezes a tremer com a ansiedade... mas lá tenho que aguentar... o mais chato é quando tenho algum problema de pele e tenho que tomar banho dia sim dia não... é um pesadelo... mas vou vivendo...

Agora... quando o meu dono me leva à praia... é um delírio para mim... por vezes até me esqueço que sou muito educada e faço-me de surda enquanto corro com grande desenvoltura em direcção ao rio ou ao mar com o meu dono aos berros a chamar por mim...

No mar, as ondas não me assustam... eu ultrapasso facilmente e sem medo as ondas... de forma a ir buscar o brinquedo que o meu dono lança para água, seja o disco seja a bola... eu vou buscar... Por vezes, o meu dono exagera e lança os brinquedos para muito longe... mas eu não desisto e não fico mal... vou buscar onde estiver...

Também já andei de canoa... mas eu gostava era de estar dentro de água e não em cima da canoa... essa foi uma tarde muito gira... onde passei maior parte do tempo dentro de água... Deixo-vos umas fotos das minhas actividades dentro de água, também podem ver um pequeno video...

Até à próxima...


dsc03001

dsc03003

dsc04953

dsc04975

video

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Eu e a minha brincadeira preferida - O DISCO

Viva,

Vou-vos contar aquele que é o meu brinquedo preferido, o Disco.

O disco é feito de borracha para não me magoar nos dentes e a brincadeira é o meu dono lançar o disco e eu correr como um raio atrás para tentar apanhá-lo antes de este cair ao chão. Se o lançador for bom eu consigo sempre apanhá-lo se ele for mau a lançar obviamente não conseguirei.

Sempre que o meu dono pronuncia a palavra "disco" ou a frase "vamos brincar com o disco" eu fico em polvorosa e bastante impaciente eenquanto não começar a brincar, fico tão ansiosa que as minhas quartos traseiros tremem bastante.

Por vezes e quando o meu dono está distraído eu brinco sozinha com o disco mas geralmente a vontade é tanta que acabo por rasgar o mesmo e o meu dono chateia-se comigo pois terá obrigatoriamente de comprar um novo.

Vou-vos deixar com umas fotos da brincadeira...

dsc00386

dsc04319

dsc04321

dsc04325

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

O ano 2004 - Parte IV

Viva,

Os últimos 3 meses de 2004 já foram de descanso.

Após a consquista do título de campeã a minha participação em exposições foi reduzida, pois as mesmas realizavam-se em locais afastados da minha morada e como não havia um retorno interessante, optámos por não participar.

A única excepção foi a participação na 3ª E.C. de Braga naquela que seria a nossa 1ª participação na nossa cidade e na condição de campeã, tendo competido na classe Campeões - Fêmeas.

A exposição correu muito bem tendo eu ficado no 2º lugar da classe com a avaliação de Excelente.

O resto do ano foi para descansar e retemperar forças para 2005. Como conclusão o ano 2004 foi repleto em aventuras.

Até lá...